sexta-feira, 26 de setembro de 2014

IDEIAS PARA DIA DAS CRIANÇAS

O dia das crianças está bem perto então vamos deixar aqui algumas ideias de brincadeiras para você fazer com os pequenos neste dia tão especial.

Jogo de dardos no balão

Providencie um painel que pode ser de MDF ou até mesmo poliestireno (isopor) encha alguns balões (você pode acrescentar pedacinhos de papel com o brinde que a criança vai receber ao estourar aquele balão) fixe os balões na madeira e fixe na parde. Pronto diversão garantida.


Um modelo mais elaborado feito em MDF

imagens Sarah Weaver

Derruba latas

Para este jogo você precisará apenas de latas revestidas com papel adesivo e com um pouquinho de areia dentro se desejar dar um pouco mais de peso e bolas de tênis na quantidade de chances que cada criança terá. Pronto diversão na certa!


Boliche com garrafas


Ah, e não esqueça de preparar uma linda mesa de doces! 





segunda-feira, 8 de setembro de 2014

IDEIAS MIL - CONTINUAÇÃO

Querido professor você está ensinando seus alunos sobre Josué? Olha que gracinha está sugestão de lembrancinha que você poderá confeccionar para ou com seus alunos dependendo da idade deles.

Casinha de palito de picolé

Você irá precisar de versículo impresso, palitos de picolé, cola, tinta guache(para colorir os palitos), flores de cartolina ou outra decoração que você desejar.

Se sua aula for sobre o profeta Jonas que tal fazer essa graça de "grande peixe"

Baleia de prato descartável

Você irá precisar de pratinho descartável, Cartolina, fita de cetim, canetinhas coloridas e cola.

Gostaram das ideias? Deixe seu comentário.




IDEIAS MIL

Olá professores abençoados da EBD, criatividade é tudo que precisamos para deixar nossas aulas e nossa classe mais atrativa para nossos alunos. Então vou compartilhar com vocês algumas ideias que andem achando aqui na internet. Deixe seu comentário e sugestões neste post para que possamos fazer cada vez mais e melhor para você.

Baldinho de oração

Leia sua Bíblia, ore todo dia e você crescerá, crescerá, crescerá!

Para fazer o baldinho de oração você irá precisar de um baldinho (é claro rsrsrs), palitinhos de picolé, versos da Bíblia impressos em tirinhas (escolha versículos de acordo com a idade de sua classe) canetinhas coloridas, materiais para decorar os palitos ( cola glitter, pedras de bijuteria etc.)

Em cada palitinho de um lado você colocará os versos impressos, do outro lado o nome de alguma pessoa ou causa pelas quais os alunos deverão orar. Decore os palitinhos e pronto. Segue a foto de dois modelos para você se inspirar(no balde com a flor você precisará colocar dentro do balde uma base de poliestireno expandido (isopor)



sábado, 2 de agosto de 2014

A BIBLIA NOS ENSINA A ADORAR A DEUS - LIÇÃO 5 JARDIM DA INFÂNCIA


Texto Bíblico: 2 Crônicas 29.1-36; 30.1-27



De professor para professor
 
Prezado professor, neste domingo o objetivo da lição é fazer com que as crianças aprendam que a Palavra de Deus nos ensina a adorá-Lo.
 
• Faça uma recapitulação da aula anterior. Pergunte qual foi a palavra-chave estudada e qual o versículo aprendido. 
 
• A palavra-chave da aula de hoje é “ADORAÇÃO”. Então, durante o decorrer da aula repita a frase: “Devemos adorar somente a Deus.”
 
Para refletir
 
• “Somente Deus é digno de ser adorado. Qual é a sua atitude em relação à adoração? Você vai à presença de Deus de boa vontade e alegremente ou está apenas seguindo um ritual, reluta para ir à igreja? Este salmo atesta que devemos lembrar-nos da bondade de Deus e da dependência que temos dEle, que devemos adorá-Lo com ações de graças e louvor!” 
 
Extraído da Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal,  CPAD
 
• Professor, “quando chega aos seis anos, a criança já adquiriu a consciência de seu eu. Ela é o centro do seu próprio universo, dá grande importância ao seu nome, e gosta de escrever seu nome em todas as coisas que faz. Interessa-se por sua infância, por histórias acerca dela própria, por tudo o que lhe diz respeito. Até porque se imagina como tendo vivido sempre no passado, e devendo viver para sempre no futuro.
 
Neste período acontece o fortalecimento da identidade pessoal, ao mesmo tempo em que valores, preferências e hábitos podem ser mudados pela facilidade com que a criança pode manipular transformar coisas, pessoas e situações. Ela sempre pensa que sabe tudo, e quer fazer tudo à sua maneira, usando ‘porque não quero’, ou ‘não faço’. 
 
Pode manter relações difíceis com as figuras de autoridade (pais, professores, irmãos mais velhos, etc.), especialmente se estas não souberem convencê-la com sabedoria, paciência e bom humor”
 
Extraído do livro Amor e Disciplina para Criar Filhos Felizes, Elaine Cruz, CPAD
 
Regras Práticas para os Professores 
 
 “A imitação é a primeira forma de aprendizagem da criança. Quando ela dá seu primeiro sorriso, por volta das primeiras semanas, ela nada mais faz do que imitar o sorriso de alguém. Assim, ela sorri porque vê outro sorrir, porque imita, não porque é boazinha, ou tenha intenção de agradar à outra pessoa — a simpatia só vai acontecer por volta do terceiro ano de vida!
 
Do mesmo modo, ao longo do seu desenvolvimento, ela vai assimilando e aprendendo mais pelos exemplos das outras pessoas do que pelas palavras. Pais que querem ensinar seus filhos a comerem legumes, não podem comer só hambúrguer e batata frita. Pais que desejam filhos mansos e educados, precisam ser primeiro mansos e educados!”
 
Extraído do livro Amor e Disciplina para Criar Filhos Felizes, Elaine Cruz, CPAD
• Atividade 
 
Realize as atividades sugeridas na revista do Mestre, página 19.
 
Caso sobre algum tempo para mais uma atividade, sugira que as crianças encenem a história bíblica.

Em uma cartolina imprima as gravuras abaixo e apresente as crianças as ações como forma de adorar a Deus:

Eu adoro a deus quando leio a Bíblia:

Eu adoro a Deus quando oro e quando falo de Jesus para meus amiguinhos:

Professor você pode acrescentar outras atitudes de adoração a Deus.



A ORAÇÃO QUE TIROU O AMARGO - LIÇÃO 5 MATERNAL


Texto Bíblico Êxodo 6.22-27



De professor para professor
Prezado professor, neste domingo o objetivo da lição é fazer com que as crianças aprendam que devemos orar em vez de reclamar. 
• Faça uma recapitulação da aula anterior. Pergunte qual foi a palavra-chave estudada e qual o versículo aprendido. 
• A palavra-chave da aula de hoje é “RECLAMAR”. Então, durante o decorrer da aula repita a frase: “Em vez de reclamar, precisamos orar”.
Para refletir
• “À medida que os israelitas se viam frente a perigos, escassez e dificuldades, eles se queixavam amargamente. Mas, como sempre, Deus atendeu às necessidades deles.
Circunstâncias difíceis muitas vezes nos levam ao estresse e, naturalmente, reclamamos. Na verdade os israelitas queriam uma vida mais fácil. Sob a pressão do momento, não conseguiam enxergar nem focar a causa de seu estresse (a falta de confiança em Deus).
Quando estiver sob pressão, procure resistir à vontade de reclamar. Em vez disso, lembre-se do poder e da sabedoria de Deus para ajudá-lo a enfrentar a causa de seu estresse ” .
Adaptado da Bíblia do Estudante  Aplicação Pessoal, CPAD
• Professor, “o quarto ano de vida é importante para a construção do processo de abstração: a criança consegue se situar ao longo do tempo (passado, presente e futuro), vendo-se em um processo contínuo, além de ser capaz de abstrair situações, conceitos e ações. Assim, pode reagir às situações presentes, às imagens do passado e a planos e elaborações futuras” (Elaine Cruz). 
Regras Práticas para os Professores 
“A imitação é a primeira forma de aprendizagem da criança. Quando ela dá seu primeiro sorriso, por volta das primeiras semanas, ela nada mais faz do que imitar o sorriso de alguém. Assim, ela sorri porque vê outro sorrir, porque imita, não porque é boazinha, ou tenha intenção de agradar à outra pessoa — a simpatia só vai acontecer por volta do terceiro ano de vida!
Do mesmo modo, ao longo do seu desenvolvimento, ela vai assimilando e aprendendo mais pelos exemplos das outras pessoas do que pelas palavras. Pais que querem ensinar seus filhos a comerem legumes, não podem comer só hambúrguer e batata frita. Pais que desejam filhos mansos e educados, precisam ser primeiro mansos e educados!”.
Extraído do livro Amor e Disciplina para Criar Filhos Felizes, Elaine Cruz, CPAD
• Atividade Manual
Realize as atividades sugeridas na revista do Mestre, página 18.

sexta-feira, 18 de julho de 2014

A ORAÇÃO DE UM BOM VIZINHO - LIÇÃO 3 MATERNAL - 3º TRIMESTRE 2014

Palavra- chave:


Texto Bíblico Gênesis 26.23-33



De professor para professor
 
Prezado professor, neste domingo o objetivo da lição é fazer com que as crianças aprendam que a oração nos ajuda a agir com bondade. 
 
• Faça uma recapitulação da aula anterior. Pergunte qual foi a palavra-chave estudada e qual o versículo aprendido. 
 
• A palavra-chave da aula de hoje é “BONDADE”. Então, durante o decorrer da aula repita a frase: “Papai do céu nos ajuda a sermos bondosos”.
 
Para refletir
 
• “Por três vezes Isaque e seus homens cavaram novos poços. Quando as duas primeiras disputas surgiram, Isaque partiu. Finalmente, houve espaço suficiente para todos. Ao invés de dar início a um grande conflito, Isaque comprometeu-se com a paz. Você está disposto a abandonar uma importante posição ou possessão valiosa para manter a paz? Peça a Deus sabedoria para saber quando se retirar e quando ficar e lutar” (Extraído de Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal, CPAD).
 
• Professor, “se tivéssemos de usar uma única palavra para responder como é mentalmente a criança do maternal, diríamos: descobridora. A sua curiosidade e constante investigação das coisas, que a impulsionam a mexer em tudo, a querer tocar e ainda levar à boca, são totalmente justificáveis: estão descobrindo o surpreendente mundo criado pelo Pai Celeste” (Marta Doreto). 
 
Regras Práticas para os Professores 
 
Os Vilões da Infância
 
“Durante muitos séculos a sociedade agiu de maneira indiferente com relação à infância. As crianças, de maneira muitas vezes sutil ou subliminar, são pressionadas a serem pequenos adultos. Imitam hábitos e costumes dos adultos e muitas vezes já nem sentem alegria pela infância, seu desejo é alcançar a maioridade.
 
1.As mídias, de modo geral. Em se tratando de poder, as  mídias são atualmente forte instrumentos de influência e manipulação na educação e construção desses novos seres “adultizados”. No Brasil, as músicas que as crianças cantam não são mais tão infantis. As maquiagens, roupas e calçados copiam o adulto como se os gostos fossem os mesmos. As danças sensuais e canções com palavras obscenas já azem parte do repertório preferido dos pequenos. Meninas usam roupas e objetos que estimulam a sexualidade precoce, assistem aos mesmos programas de televisão e falam a mesma linguagem dos adultos. Garotinhas usam salto e meninas de apenas cinco anos de idade já querem se vestir como adultos e já não aceitam usar roupas que possuam qualquer desenho infantil que os faça parecer crianças. Abraçar e pegar na mão do filho é considerado motivo de vergonha. Crianças trabalham e apresentam programas de televisão” 
 
TULER, Marcos. Os Perigos da Adultização Precoce. Ensinador Cristão, ano 11, n. 43,p. 44
 
• Atividade Manual
 
Realize as atividades sugeridas na revista do Mestre, páginas 11 e 12.

Veja no link a história dos poços de Isaque: http://sejaamiguinhos.blogspot.com.br/2012/04/os-pocos-de-isaque.html
você pode imprimir a historinha para contar as crianças.

sexta-feira, 11 de julho de 2014

O PROPÓSITO DA TENTAÇÃO - LIÇÃO 02 JOVENS E ADULTOS 3º TRIMESTRE 2014


Por Thiago Santos  





INTRODUÇÃO  
I – O FORTALECIMENTO PRODUZIDO PELAS TENTAÇÕES (TG 1.2, 12)
II – A ORIGEM DAS TENTAÇÕES (TG 1.13-15)
III – O PROPÓSITO DAS TENTAÇÕES (TG 1.3, 4, 12)
 
A MATURIDADE CRISTÃ ADQUIRIDA ATRAVÉS DAS PROVAÇÕES. TIAGO 1.2-18.
 A vida cristã é um caminho de aprendizado constante onde as experiências, adquiridas em nosso relacionamento com Deus, nos fazem entender as limitações e fragilidades encontradas em nossa natureza humana. Quando somos confrontados em meio às provações, sentimos as nossas fraquezas de forma que rejeitamos a autoconfiança e nos tornamos mais dependentes de Deus. Em seu discurso epistolar, Tiago observa a deficiência humana frente às tentações e admoesta aos cristãos que se alegrem quando forem acometidos de alguma tentação “sabendo que a prova da vossa fé produz a paciência” (Tg 1.2-3). Nesse contexto, é importante compreendermos a concepção que a igreja da dispersão tinha em relação às tentações. A exortação de Tiago vem esclarecer a mente dos fiéis e aponta para o bom resultado trazido pelas “aflições deste tempo presente” citadas por Paulo (cf. Rm 8.18; Tg 1.12). O cristão precisa compreender os benefícios adquiridos através das dificuldades e de que forma Deus os utiliza para o crescimento e amadurecimento na fé.

Primeiramente é importante enfatizar que há uma diferença entre a “tentação” (gr. peirasmos) e a “tentação” (gr peirazõ) conforme afirma Roy B. Zuck em sua obra Teologia do Novo Testamento (CPAD, 2008, p. 462). A primeira designação nos faz entender a tentação como algo positivo ao crescimento espiritual do crente, isto é, Deus prova os seus servos para o bom aperfeiçoamento da fé (cf. Hb 11.17; Tg 1.2-4). A segunda expressão denota a tentação que vem para desviar o crente da verdade, isto é, a concupiscência da carne que atrai e engoda, e que é incitada por Satanás (Tg 1.14-15; Mt 4.2-10; 1 Ts 3.5). Portanto, a tentação é uma realidade incontestável e, por isso, Tiago exorta a respeito do seu bom resultado na vida cristã.

Os fiéis da dispersão sentiam certo receio por conta das adversidades e também temiam passar por alguma “provação”, pois tinham uma concepção equivocada de que isto significaria o mesmo que uma repreensão divina para atingir a “perfeição”. Na verdade, o que o meio irmão do Senhor descreve é a respeito da bem-aventurança de sermos provados, pois isso evidencia que somos verdadeiramente gerados pela palavra da verdade, para sermos “como primícias das suas criaturas” (cf. Tg 1.12,18). A carta escrita por Tiago tem como objetivo resgatar à obediência aqueles que estavam se desviando do Caminho e precisavam reassumir o compromisso com a Palavra da Verdade. Portanto, Deus, através das provações, não tem a intenção de levar o crente ao pecado, e sim ao crescimento espiritual que caracteriza e autentica a fé. Dessa forma, ao atravessar as tentações sendo pressionado pelas adversidades, o cristão pode contar com o fortalecimento que Deus traz sobre ele mediante cada dificuldade, resultando em amadurecimento e consistência para a fé.

Em segundo lugar, é importante considerar que a origem da tentação não está em Deus, “pois Deus a ninguém tenta. Mas cada um é tentado quando atraído e engodado pela sua própria concupiscência” (Tg 1.13,14). O que nos faz entender que a natureza humana está em constante conflito em nosso eu interior, “esperando a adoção, a saber, a redenção do corpo” (Rm 8.23). De fato, a concupiscência presente na natureza humana impulsiona os desejos humanos a pecar contra o Criador, ao que Tiago exorta: “Não erreis, meus amados irmãos” (v. 16). Sendo assim, o cuidado pessoal do crente é fundamental neste processo para que o engodo do pecado não venha sobrepor o comprometimento com a prática da Palavra de Deus. (Tg 1.14,18).
 
Finalizando, o cristão precisa compreender os benefícios adquiridos através das dificuldades e de que forma Deus as utiliza para o crescimento e amadurecimento na fé. A maturidade cristã é adquirida também através desse processo, levando o crente a perseverar em seu compromisso com a verdade (Tg 1.5-8). Tiago leva-nos a entender que o caráter cristão é desenvolvido mediante as adversidades, tal como podemos observar na galeria dos heróis da fé (cf. Hb 11). Assim, podemos definir “maturidade cristã” como uma concessão divina que molda-nos a fim de que saibamos como nos comportar mediante as provações de forma adequada à Palavra da Verdade, adquirindo o conhecimento necessário para o desenvolvimento do caráter cristão. Sabendo isto: a paciência é resultado de uma fé provada e aprovada, e de uma vida que reconhece a plena dependência da providência de Deus (Tg 1.2-4) e entende que o amadurecimento cristão é fruto de um constante relacionamento com Deus onde não há espaço para oscilação. Dessa maneira, somos convidados a ter um firme compromisso com Deus “que a todos dá liberalmente e não o lança em rosto” o que lhe pedimos. Pois “toda boa dádiva e todo dom perfeito vem do alto, descendo do Pai das luzes em quem não há mudança, nem sombra de variação” (Tg 1.5-8,17). 

ORIGEM DA ESCOLA DOMINICAL

Os missionários escoceses Robert (1809/1888) e Sara Kalley (1825/1907) são considerados os fundadores da Escola Dominical no Brasil. Em 19 de agosto de 1855, na cidade imperial de Petrópolis, no Rio de Janeiro, eles dirigiram a primeira Escola Dominical em terras brasileiras. Sua audiência não era grande; apenas cinco crianças assistiram àquela aula. Mas foi suficiente para que seu trabalho florecesse e alcançasse os lugares mais retirados de nosso país. Essa mesma Escola Dominical deu origem à Igreja Congregacional no Brasil.

Hoje, no local onde funcionou a primeira Escola Dominical do Brasil, acha-se instalado um colégio (Colégio Opção, R. Casemiro de Abreu – segundo informações da Igreja Congregacional de Petrópolis). Mas ainda é possível ver o memorial que registra este tão singular momento do ensino da Palavra de Deus em nossa terra.

Houve, sim, reuniões de Escola Dominical antes de 1855, no Rio de Janeiro, porém, em caráter interno e no idioma inglês, entre os membros da comunidade americana.

Fonte:ensinodominical.wordpress.com